Mais
pedal,
menos
pedágio

Assine e ajude a pressionar por #cicloviasnasrodovias do Paraná.

Vamos juntos pressionar o governador
Ratinho Jr., o Governo Federal e os órgãos
competentes por #cicloviasnasrodovias

3648

pessoas já assinaram.

Compartilhe nas redes sociais

Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on facebook

Mais
pedal,
menos
pedágio

Assine e ajude a pressionar por #cicloviasnasrodovias do Paraná.

Vamos juntos pressionar o governador
Ratinho Jr., o Governo Federal e os órgãos
competentes por #cicloviasnasrodovias

Preencha o abaixo assinado:
3648

pessoas já assinaram.

Compartilhe nas redes sociais

Share on whatsapp
Share on email
Share on twitter
Share on facebook

Quem viaja pelas estradas do nosso estado sabe: o Paraná tem um dos pedágios mais caros do Brasil. Mas, apesar do custo alto, o investimento em infraestrutura é muito baixo. 38 obras que deveriam ser entregues até o fim da concessão ainda não foram concluídas – algumas, nem mesmo iniciadas. Faltam duplicações em vias importantes, não há viadutos e passarelas em trechos perigosos, a qualidade do asfalto deixa a desejar e não há qualquer infraestrutura para ciclistas. A Lei 20.146/2020, que institui a Política de Mobilidade Sustentável e Incentivo ao Uso da Bicicleta, já prevê a implantação de infraestrutura cicloviária no Estado do Paraná. Mesmo assim, continuamos invisíveis: somos o 2º estado com mais mortes de ciclistas em ocorrências de trânsito: 845 vítimas entre 2010 e 2019 (dados da Abramet – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). Chega de perder vidas nas estradas do Paraná. Em novembro de 2021, o atual contrato de concessão de pedágio chega ao fim. Os próximos 30 anos serão decididos agora. Se você também quer mais segurança para ciclistas e menos pedágios para ir e vir, levante a mão, levante a voz e bora somar nesta luta.

Conheça a campanha:

Quem viaja pelas estradas do nosso estado sabe: o Paraná tem um dos pedágios mais caros do Brasil. Mas, apesar do custo alto, o investimento em infraestrutura é muito baixo. 38 obras que deveriam ser entregues até o fim da concessão ainda não foram concluídas – algumas, nem mesmo iniciadas. Faltam duplicações em vias importantes, não há viadutos e passarelas em trechos perigosos, a qualidade do asfalto deixa a desejar e não há qualquer infraestrutura para ciclistas. A Lei 20.146/2020, que institui a Política de Mobilidade Sustentável e Incentivo ao Uso da Bicicleta, já prevê a implantação de infraestrutura cicloviária no Estado do Paraná. Mesmo assim, continuamos invisíveis: somos o 2º estado com mais mortes de ciclistas em ocorrências de trânsito: 845 vítimas entre 2010 e 2019 (dados da Abramet – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). Chega de perder vidas nas estradas do Paraná. Em novembro de 2021, o atual contrato de concessão de pedágio chega ao fim. Os próximos 30 anos serão decididos agora. Se você também quer mais segurança para ciclistas e menos pedágios para ir e vir, levante a mão, levante a voz e bora somar nesta luta.

Conheça a campanha:

O que está
em Jogo?

O Paraná tem um dos
pedágios mais caros do Brasil.

Esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro marcaram a história das concessões no Paraná.

Somos o 2º estado com mais mortes de ciclistas em ocorrências de trânsito: 845 vítimas entre 2010 e 2019 (dados da Abramet – Associação Brasileira de Medicina de Tráfego). Em 2018, lideramos o ranking, segundo levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT).

O modelo da menor tarifa já foi utilizado por outros estados, como Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Por que o Paraná não pode seguir o mesmo caminho?

O estudo apresentado pelo Ministério da Infraestrutura do Governo Federal considera apenas a circulação de veículos motorizados, praticamente ignorando ciclistas que se deslocam entre cidades a trabalho, cicloturistas e atletas que treinam em rodovias.

O projeto estima que em 30 anos o Paraná terá 3.327 km de malha rodoviária e apenas 76 km de ciclovias em obras previstas – menos do que a distância entre a capital e o litoral. Isso representaria cerca de 0,1% dos R$ 40 bilhões de investimento total.

Também está prevista a construção de 15 novas praças de pedágio, a ampliação de rodovias pedagiadas e um acréscimo de 40% na tarifa após a duplicação dos trechos.

O que o
Mandato Goura
Defende?

01.
Transparência

Incluir a sociedade no debate e zelar para que as novas regras não favoreçam a corrupção generalizada, como no contrato anterior. Impedir que as concessionárias envolvidas em corrupção participem dos novos contratos é medida importante neste sentido.

02.
Menor Preço

O critério mais justo é a menor tarifa ao usuário, sem outorga e com estradas excelentes em todo o estado. Defendemos ainda a isenção da tarifa para residentes a partir da 2ª passagem no mês pela praça da residência.

03.
Mais Pedal

A demanda por infraestrutura cicloviária já existe e é urgente. Pedimos #ciclovias nas rodovias, acostamento seguro, sinalização educativa, além de equipamentos de apoio para ciclistas e pedestres, principalmente nos trechos urbanizados, contornos, entroncamentos e conexão entre cidades vizinhas. Os circuitos cicloturísticos existentes nas redondezas requerem divulgação e sinalização adequada. O monitoramento de acidentes é fundamental, assim como a contagem permanente e detalhada do fluxo de ciclistas.

04.
Menos pedágio

Somos contra a atual proposta do governo, que quer ampliar as concessões e praças de pedágio. Trechos que hoje são gratuitos passarão a ser pagos, prejudicando ainda mais o usuário. Nós dizemos não!

05.
Travessias de fauna

As espécies que vivem nas proximidades das rodovias também devem poder circular em segurança. Além de criar passagens para a fauna, aproveitando estruturas já existentes, defendemos o monitoramento de acidentes, a sinalização da travessia de animais silvestres e campanhas de incentivo à viagem diurna.

O que o
Mandato Goura
Defende?

01.
Transparência

Incluir a sociedade no debate e zelar para que as novas regras não favoreçam a corrupção generalizada, como no contrato anterior. Impedir que as concessionárias envolvidas em corrupção participem dos novos contratos é medida importante neste sentido.

02.
Menor Preço

O critério mais justo é a menor tarifa ao usuário, sem outorga e com estradas excelentes em todo o estado. Defendemos ainda a isenção da tarifa para residentes a partir da 2ª passagem no mês pela praça da residência.

03.
Mais Pedal

A demanda por infraestrutura cicloviária já existe e é urgente. Pedimos #ciclovias nas rodovias, acostamento seguro, sinalização educativa, além de equipamentos de apoio para ciclistas e pedestres, principalmente nos trechos urbanizados, contornos, entroncamentos e conexão entre cidades vizinhas. Os circuitos cicloturísticos existentes nas redondezas requerem divulgação e sinalização adequada. O monitoramento de acidentes é fundamental, assim como a contagem permanente e detalhada do fluxo de ciclistas.

04.
Menos pedágio

Somos contra a atual proposta do governo, que quer ampliar as concessões e praças de pedágio. Trechos que hoje são gratuitos passarão a ser pagos, prejudicando ainda mais o usuário. Nós dizemos não!

05.
Travessias de fauna

As espécies que vivem nas proximidades das rodovias também devem poder circular em segurança. Além de criar passagens para a fauna, aproveitando estruturas já existentes, defendemos o monitoramento de acidentes, a sinalização da travessia de animais silvestres e campanhas de incentivo à viagem diurna.

A política é a gente que faz.
Veja o que você também pode fazer:

Poste uma foto sua na
rodovia usando a hashtag
#cicloviasnasrodovias.
Preencha o abaixo-assinado e ajude a pressionar por #cicloviasnasrodovias.
Compartilhe
em suas redes.

Contato

Para dúvidas ou sugestões, entre em contato no WhatsApp